PUBLICIDADE

We Are Who We Are: um retrato da juventude

O ponto alto da série é a construção de personagens multidimensionais e complexos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Para muitos, a adolescência é a época mais turbulenta e metamórfica da vida. Nunca fomos tão invencíveis e vulneráveis. É dentro desse mundo de descobertas, vitalidade e dores que o diretor Luca Guadagnino (Me Chame Pelo Seu Nome) ambienta seu mais novo trabalho, a série We Are Who We Are.

+assista We Are Who We Are na HBO

Dirigida e co-escrita por Guadagnino, We Are Who We Are estreou no dia 14 de setembro na HBO. A série tem como foco principal as vivências de dois adolescentes , Fraser Wilson (Jack Dylan Grazer) e Caitlin Harper (Jordan Kristine Seamón), que moram com suas respectivas famílias em uma base militar americana na cidade costeira Chioggia, na Itália. O trama se passa no ano de 2016, antes da eleição do presidente Donald Trump nos Estados Unidos (fato explorado na série).

divulgação / HBO

+Normal People deixa no público a sensação de assistir algo real na tela.

Os dois primeiros episódios – intitulados “Right here, right now” e “Right here, right now parte II” – mostram a chegada de Fraser na base militar com suas mães Sarah (Chloë Sevigny) e Maggie (Alice Braga), sob a perspectiva de Fraser e Caitlin, respectivamente.

Guadagnino leva o seu tempo apresentando as dinâmicas particulares dos protagonistas. Fraser é um jovem introspectivo e curioso que acabou de se mudar de Nova Iorque e tem que lidar com a mudança de ambiente, junto com questões ligadas a sexualidade e uma relação intensa e por vezes problemática com a sua mãe, Sarah.

Já Caitlin acabou de entrar na puberdade e explora diferentes facetas da sua identidade de gênero, sexualidade e a imposição da feminilidade. Sua dinâmica com seu pai, Richard, interpretado pelo rapper Kid Cudi, também é ressaltada na narrativa.

divulgação / HBO

O ponto alto de We Are Who We Are é a construção de personagens multidimensionais e complexos. Guadagnino é um mestre em trazer a tona a humanidade da narrativa através de longas passagens, diálogos fluidos, figurinos icônicos e uma trilha sonora imersiva.

+Denso, enigmático e difícil de digerir. Essas características irão afastar uma parte da audiência de Estou Pensando em Acabar com Tudo, que pode reduzir o filme a um ajuntamento pretensioso.

Outro destaque é a ambientação da série. As locações italianas não são usadas apenas como plano de fundo, mas sim como uma camada extra na narrativa, moldando tudo ao seu redor. A autenticidade italiana é contrastada com a cultura americana criada na base militar, espelhando a sensação de estranhamento dos personagens.

We Are Who We Are lida com discussões atuais de identidade de gênero, sexualidade, família, amizade, saúde mental e patriotismo, sem infantilizar a vivência da juventude. Guadagnino retrata mais uma vez o seu fascínio pela natureza humana e as várias facetas em que ela se expressa. Afinal, por trás de todos os enfeites, nós somos quem somos.