PUBLICIDADE
Natalie Portman no palco cantando numa cena de Vox Lux
"Vox Lux" - Paris Filmes

Vox Lux, o preço da fama foi alto demais para esse filme!

História fraca estraga uma boa atuação da oscarizada Natalie Portman.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

compre aqui seu ingresso para assistir “Vox Lux – O preço da fama”

Olá Cine Fans, hoje é dia de review e dessa vez com um filme que está chegando essa semana nos cinemas (no caso de vocês lerem o texto no dia do lançamento 😉 ). Vamos falar de Vox Lux – O Preço da Fama, e mais uma vez vou começar dando as minhas impressões sobre o filme.

Bem, eu achei o filme bem estranho, me parecendo que o roteirista e também diretor
Brady Corbet tentou passear pelo musical, pelo drama, pela biografia e não se comprometeu com nenhum. Fazendo, para mim, a história virasse um colcha de retalhos mal-feita. Mas preciso ressaltar as atuações da dupla Natalie Portman / Raffey Cassidy no papel principal, Stacy Martin e Jude Law. Inclusive são as cenas e as relações entre eles que salvam o filme.

“Vox Lux” – Paris Filmes

VEJA MAIS: Suspense com bom elenco que deixa um pouco a desejar, leia a nossa opinião sobre “Maligno”

Queria deixar um parentese aqui para os números musicais do filme, que não são muito a minha praia e nem meu gênero musical mas que devem agradar a turma que gosta do Pop moderno. Nesse quesito, a história se vende bem. E falando na história, tudo começa em 1999 quando um ataque a escola onde as irmãs Celeste (Cassidy) e Ellie (Martin) estudam, as deixando traumatizadas. E para lidar com o trauma, elas escrevem uma canção sobre o assunto que logo vira um mega sucesso levando as irmãs ao estrelato. A partir desse momento, que acho que a história se perde. O que sobra em densidade no relacionamento entre as irmãs, falta na relação delas com os outros personagens deixando a trama ficar sem graça inclusive nas cenas mais dramáticas.

“Vox Lux” – Paris Filmes

A situação melhora quando há um salto para 2017 e Portman assume o papel de Celeste, que agora é mãe de Albertine (Cassidy de novo – boa atriz não pode deixar fora, certo?) e uma das rainhas da música Pop, e durante os preparativos para um mega show, um grupo terrorista usando sua imagem faz um ataque e a imprensa começa a atacar a artista. Muita coisa para ela aguentar, certo? Realmente, ela começa a sucumbir e ter atitudes controversas.

MAIS AQUI: Arrebentando nas bilheterias e sucesso de público, veja aqui nossa opinião sobre a “Capitã Marvel”

Nessa altura, o filme engrena mas não o suficiente para mudar o veredito. Agora fica um recado para direção e produção do filme, é bom decidir um rumo na história porque senão o filme fica apenas morno com alguns momentos interessantes, se salvando apenas nas boas atuações. Ah, a música também é interessante.

Foi ver o filme, o que achou? Comente aqui, estou muito curioso pela opinião de vocês. E anotem ai, no sábado tem o review de “A Rebelião”. Por enquanto é isso!

Valeu!!