Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
divulgação / Universal Pictures

Tempo – Quanto dele ainda nos resta?

Suspense mostra o quanto nosso tempo é precioso e cria uma premissa muito interessante e assustadora.
5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Avaliação: 3 de 5.

Dois anos depois de lançar o controverso “Vidro” estreia essa semana nos cinemas o novo filme do prolífico cineasta Hindu-Americano M. Night Shyamalan, “Tempo”. Recheado de bons atores como Gabriel Garcia Bernal (Mozart in the Jungle), Rufus Sewell ( O Homem no Topo do Castelo), Ken Jeung (Star Wars Episódio 7 – O Despertar da Força), Abbey Lee (Lovecraft Country), Embetz Davidtz (Millennium: Os Homens que não Amavam as Mulheres) e Thomasin Mckenzie (Jojo Rabbit) e ainda com uma premissa incrível que chama a atenção na primeira olhada.

assista no cinemas (respeite as regras sanitárias das salas de exibição)

O filme que é baseado no romance suiço “Sandcastle” de Pierre Oscar Levy Frederik Peeters tinha tudo para ser incrível mas infelizemnte um roteiro muito burocrático e sem inspiração atrapalhou os planos mas nem tudo é derrota no filme. Os bons momentos são bem interessantes e claro, as locações são um capítulo à parte como eles dizem no filme, é realmente uma versão do paraíso.

A história vai assim, um casal vai passar férias com os filhos num resort de um paraíso tropical, indicado pelo gerente do hotel eles vão passear numa praia isolada junto com mais 8 pessoas e estranhos acontecimentos que são impossíveis de solucionar acontecem na praia e eles precisam achar um jeito de sair de lá, mas a praia não tem saída e sim um segredo mortal para todos.

divulgação / Universal Pictures

Vamos ver o que não deu certo, tudo bem que o filme é um suspense psicológico mas o roteiro poderia ter sido mais inteligente e criativo na hora de fazer as quebras para as mudanças de ato. A maioria tentou chocar para funcionar porém as mais criativas que foram as memoráveis. Mesmo com um bom elenco muitas situações caricatas e vários clichês que também não ajudaram. Tudo bem que era preciso ficar com as cenas confinadas ao elenco na praia mas por algum motivo tudo ficou cansativo chegando ao ato final que não teve o impacto necessário para fechar o suspense do filme.

Tempo tem um segredo, assim como essa série. Leia a crítica da temporada final de Dark, o mega sucesso da Netflix

Mas por outro lado, quando a premissa principal foi colocada à bom feito no roteiro as situações fluiam bem, pena que foram poucas às vezes E infelizmente para quem assiste, como a ação praticamente toda fica na praia e no segredo da praia todo o segredo, que é o excelente do filme, fica para os minutos finais, quase como uma cena pós-crédito.

divulgação / Universal Pictures

O que mais assustou na história é que a premissa da história não está tão longe de acontecer, não na parte fantástica (pelo menos espero que não) mas sim na parte onde o poder sobressai sobre a sensatez das pessoas. Espero que esse dia não chegue, e “Tempo” seja apenas uma boa peça de ficção do cinema. Quando você assistir o filme esse parágrafo fará mais sentido e não quero dar spoiler para não estragar a surpresa.

E quanto a nota dada ao filme mesmo com todas as críticas, a premissa é interessante demais e ela ajuda nisso mas assista o filme porque vale a pena mesmo com as falhas. E depois passa aqui para comentar o que achou.