PUBLICIDADE

Soul | Como levamos nossa vida é o mais importante!

Soul traz questões interessantes para o debate e faz você refletir sobre o sentido da vida e mais ainda vai animar muito seu Natal.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 5 de 5.

Nesse complicado ano de 2020 tudo que a gente precisava nesse Natal era um pouco de carinho, amizade, esperança que dias melhores virão e tudo isso veio na forma de um das melhores animações que a Pixar/Disney apresentou, “Soul” que está estreando no dia de Natal pelo Disney Plus. O filme chega para de forma leve e divertida mas com várias lições responder uma das perguntas mais difíceis de responder, Qual o nosso propósito na vida? Aposto que você já se questionou, eu com certeza já. E Joe Gardner, dublado por Jaime Foxx inspirado, após uma vida inteira dedicada a música e ao sucesso começa a se questionar quando ele precisa trazer sua alma de volta.

divulgação / Walt Disney Studios Brasil

Antes de tudo é preciso explicar que Joe é um professor de música frustrado de um colégio em Nova Iorque que sonha em ter uma carreira bem sucedida no Jazz como seu pai. E depois de vários fracassos ele finalmente consegue a chance de participar da banda de uma famosa artista de Jazz mas no dia do show ele sofre um acidente. E sua alma é mandada para o caminho do Além-Vida e no medo ele acaba caindo no Pré-Vida onde as almas esperam o chamado para ir a Terra e lá conhece 22 (Tina Fey impecável) uma alma que não quer descer para o planeta por não achar que a vida aqui seja interessante.

+assista SOUL no Disney+ e conte para gente sua experiência

E por uma série de enganos os dois voltam mas com uma virada incrível que começa a responder para os personagens a questão do sentido da vida, principalmente com a 22 que aprende muito nessa jornada e nós também entramos na onda e aprendemos bastante especialmente parar e observar os outros, ver a felicidade nas coisas mais básica como comer uma pedaço de pizza ou ver uma libélula voando. Outro ponto interessante e comovente no filme é toda a jornada de Joe, que no início faz a gente torcer para o seu sucesso, depois deixa a gente triste com seu acidente e ai então faz a gente refletir e se dividir sobre o que torcer na parte final do filme.

divulgação / Walt Disney Studios Brasil

De tudo que passei no filme a melhor sensação foi a reflexão que tive que fazer no final sobre qual é o sentido de estar aqui nesse planeta e o que posso fazer para melhorar um pouco a bagunça que vivemos. Foi mais ou menos de encontro ao que aconteceu com Joe no final do filme, sem spoiler para não perder a graça. Mas quem viu deixa aqui nos comentários se o final surpreendeu vocês?

+Continuação de “Os Incríveis” da Disney rende um belo filme que vai agradar os fans que esperaram tanto tempo

De tirar o chapéu a história de Docler, Powers e Mike Jones, a direção de Pete Docler e Kemp Powers, os valores de produção que fez uma NY impecável para o bem e para mal e parecia estarmos lá andando pela Grande Maça. E sem dúvidas é o filme mais ousado da Pixar/Disney por levantar questões e fazer perguntas que normalmente são omissas em filmes infantis, eu achei excelente e quem sabe seja o momento da virada nesse quesito. Então RECOMENDO fortemente que veja SOUL nesse Natal, no final de ano, no ano todo quem sabe e comece a repensar um pouco sua vida e se você está vivendo ela na plenitude.