PUBLICIDADE

PROJETO POWER, VALE A PENA?

Premissa criativa não se salva de roteiro previsível e recheado de clichês.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 3 de 5.

SEM SPOILERS

Em 2019 o Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) encerrou a sua grande saga depois de 10 anos, durante cujo tempo foi exemplo de revolução no gênero de super-heróis. Conforme ia chegando ao fim da década, Hollywood já sentia a saturação do formato e se perguntava quais seriam as novas maneiras de retratar tais seres humanos ultrapoderosos. A mais nova tentativa da Netflix veio com uma ideia criativa e com camadas de denúncia social com o lançamento de Projeto Power. 

Assista ao Projeto Power no NETFLIX

Projeto Power tem uma premissa criativa, como colocado anteriormente. Na cidade de New Orleans, inicia-se a compra e venda no mercado negro das pílulas de Power, as quais concedem superpoderes àqueles que a consomem, mas com dois poréns: 1) você não sabe qual poder irá obter e o quão letal ele pode ser para si ou para os outros, e 2) os efeitos duram apenas cinco minutos. 

divulgação / NETLFIX

Neste contexto, acompanhamos a trajetória de três principais personagens: Robin (Dominique Fishback), uma adolescente de ensino secundário que vende as pílulas ilegalmente nas ruas para poder pagar os remédios da mãe; Frank (Josesh Gordon-Lewitt), um policial que quer ver a justiça nas ruas da cidade a qualquer custo, mesmo que isso signifique fazer uso do Power, o que leva a tornar a Robin a sua protegida; e por último Art (Jamie Foxx), um ex-militar que está tentando recuperar a sua filha  dos fabricantes da droga. 

+Agora com roupagem mais sombria, clássico conto de João e Maria tenta energizar história bem conhecida.

Ao assistir Project Power é preciso manter em mente que este se trata de um filme de ação e é bastante claro que a proposta principal aqui é o entretenimento. No entanto, tal qual Matrix, por baixo da camada de “filme de ação” e “filme de super-herói” é possível ver um comentário não tão sutil que os diretores colocam sobre violência e corrupção policial, a satisfação imediatista do consumo de drogas assim como todo o sistema criminoso que se forma em cima deste comércio. Como ele consegue entranhar-se nas sociedades deste as camadas mais baixas até a alta sociedade e ainda corrompendo governos. 

divulgação / NETLFIX

O longa também ganha valor por conta das decisões visuais. Não é apenas fotograficamente bonito e rico, abusando das dinâmicas cores do amarelo e vermelho, mas também sendo criativo nas cenas de ação, que conseguem sair daquela cansativa câmera na mão e cortes rápidos para disfarçar os dublês e as coreografias. Tudo isso é herança de trabalhos passados dos diretores Ariel Schulman e Henry Joost nos filmes Nerve (2016) e na franquia Atividade Paranormal. 

+À Queima Roupa, filme original da Netflix traz trama fraca e elementos previsíveis e resultado erra o alvo.

No entanto, o filme é recheado de clichês do gênero. A premissa criativa não o salva de um roteiro previsível, e aqui, portanto, não existem grandes surpresas ou revelações. Os personagens principais atuam muito bem, principalmente o Joseph Gordon-Lewitt. A personagem da Dominique Fishback é operante como um artifício de roteiro para juntar os outros dois protagonistas e tem bons momentos com ambos, e até funciona até certo ponto como alívio cômico. O personagem que mais deixa a desejar é o vilão vivido por Rodrigo Santoro, pois parece ser interessante no primeiro momento, mas acaba gerando um grande anticlímax no final do segundo ato. 

Project Power é um filme divertido, com uma premissa criativa e com algo a dizer, no entanto recheado de previsibilidade. Mesmo perdendo o fôlego nos momentos finais vale a pena conferir pelo valor do entretenimento e pode até gerar debates legais tanto sobre a sociedade quanto o que esperar do futuro dos filmes de herói.