PUBLICIDADE

opinião | Stargirl, a heroína família do universo DC.

Otimismo e família são os trunfos de uma das melhores séries da DC.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 4 de 5.

Fala pessoal, semana passada se encerrou a primeira temporada de Stargirl no DC Universe (que parece que vai acabar antes de chegar aqui!!!), e estou aqui para deixar minha opinião sobre essa incrível temporada que me surpreendeu positivamente e me já estou ansioso para a segunda temporada. Então sem enrolar muito, vamos descobrir como uma série família virou a minha favorita do universo DC.

DC's Stargirl | I Choose You | Season Trailer | The CW

De início eu não fui comprado pela ideia da série, achava ela leve demais para o padrão DC Comics onde tudo é sombrio e decadente mas ao passar dos episódios a série se revelou ser de grande qualidade de texto, atuações e bons valores de produção. Destaque para mim nessa temporada, sem duvidas, foram os atores. Realmente é verdade o ditado que dê um bom texto ao um ótimo ator e ele voa fácil. E isso acontece principalmente com o Luke Wilson (Pat Dugan/S.T.R.I.P.E) a maior surpresa para mim na série, nunca achei que fosse elogiar um dos irmãos Wilson em termos de atuação.

+Stargirl não chegou, então indicamos Titans no Netflix

divulgação / The CW Network

Mas ele está sensacional no conjunto da obra e se juntando a ele, um achado da produção a protagonista Brec Bassinger (Courtney Whitmore/Stargirl) que a primeira vista parece ter saído daqueles filmes de comédia teen dos anos 90 e 2000 mas mostra segurança, confiança, vulnerabilidade e faz a gente torcer pela personagem. E mais um destaque que vai para o grande vilão da temporada, Neil Jackson (Jordan Mahkent/Geada) e sua visão de uma nova América.

+Snowpiercer acerta ao ampliar o debate sobre a estrutura social atual e mostra quanto precisamos melhorar como sociedade.

Mas isso não quer dizer que os outros estavam ruins na verdade a maioria do elenco é ótimo e funciona brilhantemente, e nesse ponto a nova geração da Sociedade da Justiça da América é perfeita. E os vilões ainda que caricatos em alguma forma são no ponto para garantir a diversão.

Agora vamos falar agora dos episódios, vou contar logo que o piloto e o duplo episódio final são espetaculares bem como a maioria deles tirando um ou dois no meio da temporada que na minha opinião não mantiveram o ritmo, nada que comprometa. E não posso esquecer de falar que o desenvolvimento dos personagens é tão bacana que todo episódio me fez rir bastante.

O tema família norteia todos os episódios, e não só entre o grupo de heróis mas também entre os vilões e isso acabou sendo o ponto alto sem a menor dúvida. Isso tem muito a ver com o criador da série Geoff Johns que criou a personagem para homenagear sua irmã também Courtney que faleceu e por isso ele tem um sentimento muito bonito com esse projeto.

divulgação / The CW Network

+Em suma, o invólucro de Locke & Key é de qualidade, mas o seu conteúdo decepciona o público que embarca com grandes expectativas.

Como dito que o tema família é o principal em Stargirl, tudo foi feito para que famílias pudessem ver o show inclusive quando cenas mais fortes são mostradas, a equipe faz tudo para não causem desconforto a quem assiste. Até a morte de personagens que é bem triste consegue ter algo sentido na série. Também é muito legal e emocionante ver a aproximação dos personagens já que desde o início é mostrado que muitos não se relacionam bem entre si.

Já te digo que é de encher os olhos de lágrimas o desenvolvimento da relação entre filha e pai entre Courtney e Pat e junto com a aproximação deles toda a família Dugan-Whitmore se transforma e consegue transformar todos os personagens ao redor fazendo que a versão 2.0 da Sociedade da Justiça seja mesmo uma família mesmo com a rebeldia do novo Homem-Hora.

+The Witcher desperdiça chance de criar algo épico, e será mais lembrada pela música chiclete do que pela história.

Inclusive entre os vilões é fascinante ver como todos os tipos de família são representados. Desde a família protetiva passando pelos pais negligentes chegando ao pai que quer deixar o mundo melhor para seus filhos. Nesse ponto o destaque vão para Meg DeLacy como Cindy Burman/Shiv que deseja seguir os passos de seu pai, Rei Dragão mesmo com ele e os outros membros da Sociedade de Injustiça.

E terminando deixo minha comenda para todo o desenvolvimento da relação entre Henry King (Christopher James Baker) ou Onda Mental e seu filho Henry King Jr. (Jake Austin Walker) que mesmo seu pai sendo frio e mostrando pouco afeto, ele faz tudo para salvá-lo e o final é bem trágico. E com isso termino e digo a vocês quando chegar a série no Brasil veja porque vale a pena. Até a próxima.