PUBLICIDADE
© Marvel Studios / Walt Disney Co.

Opinião de Fan – Vingadores Ultimato

Nessa semana de Vingadores tem muita coisa por vir no site, e hoje começamos a divulgar nossas opiniões sobre o filme.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

compre aqui seu ingresso para “Vingadores: Ultimato” nos cinemas.

“Vingadores: Ultimato”… Não há forma certa ou errada com relação a o que escrever sobre esse filme. Todas as 3 horas de filme valem cada centavo. Ainda estou um pouco perdido, desnorteado, por conta dessa obra prima que a Marvel Studios teve o prazer de dar de brinde, de presente, pelos 10 anos de fidelidade com a franquia. Aliás, 10 anos muito promissores para os filmes de super-herói que eu tanto critiquei.

MAIS AQUI: Primeira semana de Live Cross Battles se passou e clique aqui para saber como está a Equipe Veras no “The Voice”.

Não têm porque trazer, aqui, uma sinopse do filme mais aguardado do ano até então. Vale, portanto, uma breve contextualização. Depois do estalo de Thanos (Josh Brolin), o vilão mais temido da galáxia, os Vingadores que restaram tentam encontrar uma forma de reverter a situação do estrago que o tirano causou, dizimando metade da população do universo. Tony Stark (Robert Downey Jr.), Steve Rogers (Chris Evans), Natasha Romanoff (Scarlett Johansson), Bruce Banner (Mark Ruffalo), Thor (Chris Hemsworth), Scott Lang (Paul Rudd), Rocket (Bradley Cooper), Nebula (Karen Gillian), Rhodey (Don Cheadle) e Clint Barton (Jeremy Renner) precisam, então, unir forças para virar o jogo e tentar combater Thanos novamente.

“Vingadores: Ultimato” – Marvel Studios

Vamos às impressões: o filme realmente é muito longo. Na primeira meia-hora, eu senti como se o tempo tivesse passado devagar, pois parecia que eu estava sentado na poltrona a mais tempo. Algumas partes deixam o filme um pouco arrastado, mas sinceramente? Não ligo! As partes do filme que ficaram mais paradas precisavam ser daquela forma e, querendo ou não, foram essenciais para deixar o filme com a coesão que deveria ter.

MAIS AQUI: Ainda não foi ver o filme, ouça aqui as expectativas da equipe para “Vingadores: Ultimato”.

Todos os arcos foram concluídos com sucesso. De fato, “Vingadores: Ultimato” cumpriu com a obrigação de encerramento de um ciclo para a abertura de um novo. Não tinha forma melhor, todos os personagens que deveriam ter destaque tiveram, os que não tiveram destaque mas estavam vivos também tiveram seus motivos para não terem tanto destaque. A Marvel não perde a mão nas tiradas engraçadas, o filme tem a dosagem perfeita e impecável de comédia, drama e emoção. Aliás, a última palavra da frase anterior descreve exatamente esse longa: “emoção”. Isso sem falar na última cameo de Stan Lee em vida. Como sempre, rápida e perfeita.

“Vingadores: Ultimato” – Marvel Studios

À Marvel Studios, meus sinceros parabéns e acima disso, meu obrigado. Agradeço sim, por ter conquistado a minha mudança de opinião com relação aos filmes que “se resumem só a efeitos especiais”. Vocês mostraram que é possível, sim, ter uma história interessante com um roteiro de qualidade. Conseguiram me emocionar e me arrepiar ao longo dessas longas 3 horas de perfeição. O review mais difícil que escrevi até hoje e ao mesmo tempo o que eu mais gostei de escrever. Esse filme vai ficar marcado na história do cinema do século XXI. Aguardo agora para a tarefa quase impossível de superar esse filme. Nunca foi tão fácil avaliar um longa por toda experiência. É o fim de uma era, e o começo de uma nova. Obrigado, Marvel. Obrigado, Stan Lee.