PUBLICIDADE

opinião | 3% se despede com 97% de clichês

Série se recupera de queda nos últimos anos e volta com roteiros melhores e boas atuações
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 1 de 5.

E aí pessoal do Cinefans! É consenso que despedidas podem ser dolorosas. Entretanto, algumas são mais que necessárias como a da crítica de hoje. Finalmente vamos dar o devido adeus à uma das séries da Netflix mais bem recebidas pelo público internacional. Esta é a crítica da série brasileira original da plataforma, 3%.

+acompanhe a temporada final de 3% no Netflix

A série estrelada por Bianca Comparato (Michelle) teve um total de 4 temporadas e já passou aqui no Cinefans no ano passado. 3% fala sobre um futuro distópico onde, ao completar 20 anos, todos os jovens têm direito a passar por um processo o qual apenas 3% dos candidatos são aprovados. Ao serem aprovados, os vencedores ganham o privilégio de se mudar para o Maralto, uma ilha onde pode-se encontrar tudo do bom e do melhor.

Ao longo de sua história, 3% teve constantes desvios que tornaram a série bastante desinteressante. Basicamente, a estreia foi um sucesso, o conteúdo foi muito bem recebido, mas as suas continuações (a segunda e a terceira temporadas) deixaram muito a desejar. Um problema muito grande, porque foram 2 anos jogados no lixo com um roteiro péssimo, atuações medianas e uma direção incompetente. 

divulgação / NETFLIX

Vejamos pelo lado positivo: 3% não foi cancelada. Teve a chance de ter um desfecho para sua história. Depois de Maralto x Continente, ainda ganhou mais uma moradia, a concha, como parte de um acordo para não haver rebelião para acabar com o Maralto. Aliás, a quarta temporada recupera o que ficou perdido por dois anos: traz um roteiro de mais qualidade e as atuações melhoram muito.

+Repleta de diálogos com a política e a diplomacia, a terceira temporada de “3%” traz a dosagem perfeita de ação e drama, além de uma trilha sonora espetacular e também 100% brasileira.

A conclusão caiu muito no clichê. Toda temporada se baseia no final de uma batalha que é travada ao longo da série inteira, que se desenvolveu com muitos plots desnecessários e pouco dinamismo na trama. O último episódio da série dura 1h15min e resume bem tudo que foi a série: uma grande perda de tempo. Inclusive, no final de tudo existem semelhanças ao final de Game Of Thrones (quem assistiu as duas sabe do que estou falando). Isso só mostra falta de originalidade e a tentativa apelativa de dar um final decente à série.

Sobre a última cena: a caminhada do último episódio faz com que tudo se torne previsível e é mais um ponto que decepciona. A história tinha tudo para ser um grande sucesso, podia ter caminhado para vários finais diferentes, mas os produtores optaram por um final Disney. A verdade é que estamos cansados de finais Disney.

divulgação / NETFLIX

Não posso mentir, assisti tudo em uma tarde. Não só porque precisei, mas porque o cliffhanger entre os episódios me deixava curioso para saber o que acontecia depois. Infelizmente não é só um cliffhanger que torna uma série boa. Fico com um pouco de pena do elenco, pois são todos muito esforçados e é notório que todos se envolveram muito no projeto. Infelizmente os roteiristas deixaram muitas pontas soltas. 

Basicamente essas foram minhas impressões sobre tudo que me foi apresentado. Em quatro longos anos de trabalho da Netflix com a produção de 3%, é isso que interpreto com base no que vi. Agradeço por darem um final à série, visto que muito conteúdo que tem público e qualidade é cancelado sem a menor justificativa. Muito obrigado a todos que acompanharam essa crítica e até a próxima!

PUBLICIDADE

AS 
ÚLTIMAS