divulgação / Lucasfilm

Obi-Wan Kenobi merecia ser mais que um grande fan service

Tirando ser um grande fan service, minissérie que marca a volta de Ewan McGregor é bem sem graça
5/5

Avaliação: 3 de 5.

Essa semana terminou a exibição da minissérie “Obi-Wan Kenobi” no Disney Plus. E foi uma temporada bem controversa principalmente por não acrescentar muito para o universo de Star Wars e talvez o grande mérito foi fazer tudo que os fãs pediam há tempos.

O grande destaque do festival de fan services foi a luta no episódio final entre Obi-Wan (Ewan McGregor) e Darth Vader (Hayden Christensen). Essa luta em especial realmente foi a cereja do bolo com um cuidado redobrado, especialmente na proporção entre os personagens reais lutando e o uso do CGI.

Difícil dizer o que não funcionou na produção, talvez a maior falha tenha sido no texto. Os roteiros são bem fracos, com pouca carga dramática parecendo que estavam contando apenas com o talento do elenco. A direção também deixou a desejar principalmente nos episódios de ligação no meio da trama com soluções pobres e principalmente recursos viciados para finalizar as cenas.

divulgação / Lucasfilm

Uma das piores sequências na opinião de quem escreve é a luta inicial entre Obi-Wan e Vader no meio de uma mina, ou algo assim, onde até é aceitável o guerreiro Jedi já sem a mesma conexão com a Força não queria lutar com o seu antigo aprendiz que ele acabara de descobrir estar vivo e precise criar uma distração para a fuga de Leia. Porém, toda a evolução da cena chegando à “grelha’ de Obi-Wan que poderia ser poético vira apenas um pretexto para mostrar os efeitos visuais e práticos.

Outro ponto baixo é a perseguição de Leia no primeiro/segundo episódio no meio da floresta de Alderaan quando os mercenários tentam capturar a jovem princesa. Aquilo chega num nível de pastelão que deixa o nosso querido Renato Aragão e os Trapalhões com inveja. Vendo aquela cena fiquei imaginando que só faltou a música tema do programa.

divulgação / Lucasfilm

Uma trama que deixou a desejar foi a dos Inquisidores, que tirando a Terceira Irmã / Reva (Moses Ingram) que pelo tempo de tela e pela história de fundo com boa certeza ela fará aparições em obras futuras de Star Wars. Ela, realmente, é um ponto fora da curva dentro da moleza do elenco com os personagens, parece que apenas ela, Vivien Lyra Blair (Leia) e Ewan McGregor (Obi-Wan) tentam dar sangue na minissérie. Mas a atuação de Ingram não é nada de excepcional mas está bem acima dos demais.

O maior destaque, tirando a volta de McGregor, foi a atuação de Vivien Lyra Blair, que está impecável e praticamente rouba todas as cenas, dá a carga dramática certa, tem senso de humor no ponto e fora a química incrível entre ela e McGregor que vende para a audiência a relação de tio e sobrinha distantes. Precisamos ver mais dessa versão da Leia no futuro, por favor!

divulgação / Lucasfilm

Algo que não aconteceu nas sequências entre Kenobi e os Skywalkers, talvez a única situação interessante ali foi a volta dos intérpretes originais de Owen e Beru. Esse é outro ponto interessante, a volta de atores e atrizes que retornaram para reprisar seus personagens, deu um senso de continuidade muito legal. Se liguem na frase mais recorrente de Obi-Wan quevai estar ligada a cena final.

Obi-Wan Kenobi vai agradar aos fãs por alguns momentos mas com certeza vai deixar a mesma sensação quando foi anunciado o filme de Han Solo, aquela bela ducha de água fria. Mas se você é fã de Star Wars assista e tira suas conclusões.

assista “Obi-Wan Kenobi” no Disney Plus