Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Nazinha, Orai por Nós - Boulevard Filmes

Nazinha, Olhai por Nós – Uma nova chance através da fé.

Documentário resgata as histórias desses personagens, com foco nas consequências de suas escolhas e as expectativas quando o assunto é liberdade;
5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Avaliação: 3.5 de 5.

Para o povo paraense não existe celebração mais importante que o Círio de Nazaré, e ainda é mais importante para aqueles que perderam sua liberdade. Assim Nazinha, Orai por Nós mostra a esperança de receber o indulto para celebrar o Círio fora da prisão, quatro presidiários – dois homens e duas mulheres – mostram como a fé em Nossa Senhora de Nazaré e o amor da família são essenciais para a recuperação.

No documentário somos apresentados a personagens fortes capazes de provocar reflexões que não estamos acostumados graças a imersão incrível do diretor Belisario Franca que literalmente nos coloca dentro dos presídios.

+Esse documentário fala sobre os impactos e o papel da fotografia na história brasileira, Fotografação.

Nazinha, Olhai por Nós – Boulevard Filmes

Funciona muito bem as transições entre os quatros personagens, suas lutas internas e suas vitórias no meio de batalhas pesadas. Inclusive nem todos os finais vão agradar ao público. A festa do Círio é colocada em posição perfeita na trama tanto do lado do cidadão comum como para os presos mostrando que naquela hora de celebração e fé todos são iguais para a Santa.

Para os familiares dos presos, a única perspectiva era o benefício da saída para o evento que arrasta mais de dois milhões de pessoas em cortejo nas ruas de Belém todo ano, o Círio de Nazaré. 

+Se você estiver em São Paulo, pode assistir ao documentário no Espaço Itaú Frei Caneca

Nazinha, Olhai por Nós – Boulevard Filmes

“Nazinha, Olhai por Nós” é uma produção da Giros Filmes em coprodução com Canal Brasil, Globo Filmes e Globo News. A distribuição é da Boulevard Filmes. 

O longa fecha a “Trilogia do Silenciamento” do diretor, composta pelas produções “Menino 23” (2016) e “Soldados do Araguaia” (2017). A partir de temas, universos e personagens distintos, cada um dos três documentários investiga estruturas, costumes e organizações de poder típicas da sociedade brasileira, destacando algumas de suas trágicas consequências: a desvalorização dos direitos humanos, a impunidade generalizada e o aniquilamento das subjetividades daqueles que vivem à margem da História. “Menino 23” chegou à long list do Oscar e foi eleito como Melhor Documentário pelo júri e pelo voto popular no Grande Prêmio de Cinema Brasileiro de 2017.