Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
divulgação Fox Filmes

Não é só o nome da Garota que é Exemplar

5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Adaptação de livro e indicado ao Oscar é o tema do segundo review retrô, inaugurando os nosso aquecimento para a premiação da Academia.

ATENÇÃO: Essa matéria contém spoilers sobre o filme! Você foi avisado!!

Os leitores de plantão não aguentam mais péssimas ou mediadas adaptações de seus livros preferidos para as telonas, é verdade. No entanto, esse lançamento de 2014 deu o que falar, não apenas pela reprodução bem certeira do livro, como também por basicamente todo o resto. Em 2012, a escritora Gillian Flynn contou a história da Amy Exemplar para o mundo através de sua escrita viciante. Em 2014, o renomado diretor David Fincher, responsável por obras como “A Rede Social” (2010), “O Clube da Luta”(1999) e “O Curioso Caso de Benjamin Button” (2008), transformou o livro em filme homônimo, Garota Exemplar. No Oscar de 2015, o filme ganhou indicação de melhor atriz com Rosamund Pike, porém o prêmio foi levado por Julianne Moore (“Para Sempre Alice”).

divulgação Fox Filmes

A trama começa com o desaparecimento de Amy Dunne (Rosamund Pike), esposa de Nick Dunne (Ben Affleck), no dia de seu aniversário de cinco anos de casamento. Após interrogado pela polícia, Nick percebe que pode ser encarado como suspeito no caso da esposa e, junto com sua irmã, Margo (Carrie Coon), tentam desvendar o que realmente está acontecendo. Perseguido pela polícia e odiado pela mídia e pela vizinhança, Nick tenta provar sua inocência enquanto descobre fatos que podem mudar completamente o prosseguimento do caso, e até mesmo a imagem que tinha de sua esposa.

Veja aqui a nosso primeiro review retrô sobre “Onde está Segunda”

Do começo ao filme, vale uma grande salva de palmas para Fincher que, mais uma vez, criou uma narrativa excitante, com personagens muito bem desenvolvidos e repletos de defeitos. A atuação de Rosamund Pike na primeira metade do filme realmente permite que o telespectador se insira na história e perceba de perto a sua perspectiva dos fatos. De fato, o grande destaque do longa foi a sua presença e atuação impecável, definitivamente imergindo na personagem e incorporando com maestria suas características. Parabéns Rosamund!

Suspense muito polêmico do Netflix, veja o que achamos de Bird Box

Por outro lado, o papel de marido confuso e inexpressivo se encaixa perfeitamente na forma de atuação de Ben Affleck, atual Batman. A sua falta de sensibilidade durante a trama retrata fielmente seus verdadeiros sentimentos com relação à Amy, sua quase indiferença. Apesar da atuação pouco diversificada de Affleck, em “Garota Exemplar” ele conseguiu mostrar muito bem o papel do homem que outrora foi apaixonado e, no presente momento, beira a indiferença e uma vida de segredos. As expressões de desdém e arrogância do personagem aliadas às suas ações ao longo da trama nos permitem encarar quem realmente é Nick Dunne.

divulgação Fox Filmes

Por se tratar de uma adaptação de livro homônimo, a comparação entre a versão original e a do cinema é inevitável. Todavia, Fincher fez o seu dever de casa e, como sempre, não desapontou na construção da história. Assim como no livro, a história é contada a partir de um narrador-personagem, ou seja, a partir do ponto de vista subjetivo de um dos personagens. A transição entre as narrativas de Nick e Amy ao longo da história são cruciais para o andamento e a compreensão da história, construindo toda uma sensação e impressão dos personagens para depois desconstruir essa noção.

Veja aqui “Garota Exemplar” no Netflix, e comente aqui.

Essa foi a nossa impressão de “Garota Exemplar” (2014), indicado ao Oscar a categoria de melhor atriz com Rosamund Pike. E você, o que achou da história? Comenta aqui a sua opinião!