Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
divulgação / Imagem Filmes

Missão Resgate – correndo contra o tempo em gelo fino

Novo filme de ação tem carisma e presença de Liam Neeson como destaque
5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Avaliação: 2.5 de 5.

Filmes de ação sempre ficam no fio da navalha quando se trata de dizer que são bons ou ruins. Seja pelos movimentos de câmera, seja a falta de imaginação do roteiro ou a falta de credibilidade nas sequências do filme. Dito isso, “Missão Resgate” tem todos esses problemas mas graças a credibilidade de Liam Neesom e a força de vontade de Marcus Thomas e Amber Midthunder que fazem o melhor dentro de um texto bem prevísivel.

assista “Missão Resgate” nos cinemas (respeite as regras sanitárias das salas)

Dirigido e escrito por Jonathan Hensleigh (Jumanji, O Justiceiro, Armaggedon) que não tenta reinventar a roda na produção e faz apenas o necessário para tentar entreter o público durante os 109 minutos de exibição.

divulgação / Imagem Filmes

A história conta que após o desmoronamento de uma mina de diamantes, Mike (Liam Neeson), um experiente motorista de caminhão, é recrutado para liderar uma missão de resgate aparentemente impossível. Enfrentando baixas temperaturas e grandes tempestades, ele terá apenas 30 horas para transportar uma enorme carga sobre rios congelados e tentar salvar a vida dos mineradores soterrados.

Leia a crítica de “A Mensageira”

Como boa parte do filme se passa em ambientes gélidos e hostis, faltou a produção liberar mais verba ou prestar mais atenção nos efeitos especiais durante a viagem pela estrada de gelo pois em algumas partes o cgi falhou muito e ficou tão mal-feito que é vergonhoso. E tirando isso os efeitos práticos em cena funcionam muito bem.

divulgação / Imagem Filmes

Dizem por ai que um filme é bom a partir do seu antagonista e aqui em Missão Resgate, apenas os protagonistas são personagens um pouco mais complexos, bem pouco. Os vilões em si são tão caricatos e fracos que chega mais uma vez a ser vergonhoso. O bad guy principal, Benjamin Walker é de uma pobreza que fica difícil acreditar nas motivações dele no filme. E seus chefes, então, é patético a motivação (ganância) colocada no texto que faz os atores já fracos não convencerem mesmo.

A maior razão que posso indicar para você assistir o filme, é mesmo o carisma e o recém descoberto talento para ação de Liam Neeson apoiado por um correto Lawrence Fishburne e o esforço herculéo de Midthunter e Thomas. Apenas uma diversão razoável, sendo bem otimista.