Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
divulgação / Netflix

Mestres do Universo: Salvando Eternia (e He-Man?)

Série dá novas camadas a personagens clássicos, inova na mitologia mas resultado pode dividir fans.
5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Avaliação: 3.5 de 5.

Chegou a Netflix a tão aguardada continuação das aventuras de He-Man, Teela, Mentor, Gorpo e todos os hérois de Eternia na incessante e interminável luta contra as forças do Esqueleto, produzida por Kevin Smith (O Balconista, Jay e Silent Bob) a nova encarnação se propõe a responder algumas ou todas as perguntas deixadas pela série original de 1984.

assista a série na Netflix (assinatura necessária)

Pois bem, vamos começar falando que a série que na sua primeira parte tem 5 episódios vai bem expandindo a mitologia criada nos anos 80. Alguns personagens quer eram marginalizados ou possuiam pouco espaço na série ganharam mais profundidade e tiverem tempo para o desenvolvimento.

divulgação / Netflix

Uma das coisas que mais tenho lido por ai é que He-Man não aparece muito dentro da série, isso não me agradou também porque esperava mais tempo dele na história mas bem, na série original mesmo ele sendo protagonista o programa sempre tinha histórias com outros personagens como protagonistas. E colocarem a Teela como a principal nessa parte foi inteligente pois desde de sempre, ela é a personagem com mais potencial não explorado e o arco todo construído em torno dela fez todo sentido.

outro remake com crítica por aqui, leia a nossa opinião sobre o novo Cavaleiros do Zodiaco

Do que mais gostei, as vozes merecem um ponto especial. Achei que ficaria meio estranho ter outros atores emprestando as vozes para personagens queridos mas fui surpreendido com o elenco que mais uma vez deu mais profundidade e segurança que aqueles amigos estão em boas mãos. Destaque para Chris Wood (Adam/He-Man), Sarah Michelle Gellar (Teela), Liam Cumminghan (Mentor) e Lena Headey (Maligna), desses que mencionei fiquei surpreendido e emocionado com a perfomance de Headey como Maligna que junto com Teela foram os melhores personagens dessa nova leva e foi ótimo ver como elas basicamente são iguais e caminhos diferentes.

divulgação / Netflix

Claro que nem tudo são flores na série, preciso dizer que várias vezes a lentidão na ação dentro dos episódios e a previsibilidade devido a falta de profundidade do texto me incomodaram bastante. Alguns personagens também tiveram atitudes estranhas que não estavam em linha com aquilo que conhecemos deles. Mais uma vez faltou o texto ajudar. Dentro da narrativa fez sentido mas a ausência de He-Man da maioria dos episódios depois de tanto material promocional da série, me senti um pouco enganado. Quem também se sentiu enganado com isso? Comenta aqui.

Muitas possibilidades foram colocadas na tela que sendo bem tratadas podem render grandes arcos dramáticos. A relação de amizade entre Teela e Andra, o futuro de Adam, o Deus Esqueleto. Tudo excelente para atiçar a curiosidade mas espero que nessa segunda parte o ritmo seja um pouco mais agitado já que agora conhecemos os personagens, e resta esperar a parte 2, que tomara que não demore.

divulgação / Netflix

Recomendo todos a assistirem, sem preconceitos ou pré-julgamentos mesmo você sendo como eu, um fan das antigas da franquia. Vamos dar uma chance para essa nova interpretação. E vamos nos divertir vendo o renascimento de mais uma franquia de sucesso, e que é importante para muitas pessoas.