divulgação / Sony Pictures

Homem Aranha | Fim da trilogia é o começo da aventura

Fechando a trilogia, aventura mostra herói fechando ciclo e pronta para amadurecer
5/5

Avaliação: 4 de 5.

Fechar trilogias sempre é problemático por vários motivos, pode ser saturação da história, falta de imaginação dos roteiristas para fechar o arco, elenco já cansado, e muito mais. Porém, no caso de “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa” os roteiristas abriram mão de um roteiro mais denso para contar uma história mais simples, claro que as pitadas Marvel, e priorizou a interação dos personagens inclusive os vilões (já anunciados).

Antes de me aprofundar mais sobre o filme, vou avisar vocês que não vai ter spoilers. Não vou atrapalhar a sua experiência nos cinemas, dito isso vamos falar mais sobre o filme.

assista “Homem Aranha: Sem Volta Para Casa” nos cinemas (respeite as regras sanitárias das salas)

Sem dúvidas, o passar dos anos e a experiência de ter interpretado o personagem fez um bem danado a Tom Holland que está seguro como Peter Parker e consegue carregar as cenas e ele tem algumas cenas bem pesadas onde ele entrega o que precisa e melhor sem a presença de outro personagem forte mas claro que ele brilha bastante quando tem como parceiro de cena Benedict Cumberbatch (Doutor Estranho) ou até mesmo Jaime Foxx (Electro), Alfred Molina (Doutor Octopus) e Willem Dafoe (Duende Verde).

divulgação / Sony Pictures

Outro destaque aqui são a dupla que divide o protagonismo com Holland, Zendaya como MJ e Jacob Batalon com Ned Leeds que também aproveitando de estarem mais confortáveis no papel e sobem um pouco mais o nível. Especialmente Zendaya que em todas as suas cenas rouba a atenção do público. Principalmente mais para o ato final da história.

Como mencionei no início, os roteiristas Chris McKenna e Erik Sommers (os mesmos dos anteriores) resolveram ser mais práticos e não complicaram a história que pega diretamente do final de “Homem Aranha: Longe de Casa” onde o mundo sabe que Peter Parker é o herói e todas as consequências da revelação.

leia a crítica de Homem-Aranha: Longe de Casa

Apenas o início desse ato inicial é interessante com dramas reais da vida adolescente sendo colocado em paralelo com o ambiente de Parker ser um Vingador e naquela situação um inimigo da população. E foi bem colocada a participação do Mago Supremo da Marvel no filme já mostrando que realmente o Multiverso vai ser o caminho a seguir na Fase 4 do UCM.

reprodução / Sony Pictures

Bem, o Doutor Estranho que funciona como substituto espiritual como o mentor de Parker, que não tem mais Tony Stark para ajudá-lo em crise e ai que está o problema. Em algumas cenas, Cumberbatch parece estar tão automático que fica chato, que ele está ali apenas para cumprir algum contrato diferente do trio (Foxx, Molina e Dafoe) que dão o seu show como agradecimento pela volta ao Universo Marvel.

Não vou me ater muita a história porque é a clássica história onde o herói quer fazer uma boa ação, sempre se ferra, seus amigos o ajudam e ele salva o dia mas ai nessa parte tem o twist do ato final (bico calado, lembra que é sem spoiler!) que é a parte mais incrível do filme, onde tudo que precisa ser fechado, se fecha. E temos praticamente uma abertura a incríveis novas oportunidades para o Amigo da Vizinhança.

Uma das grandes belezas de Sem Volta para Casa é a quantidade de homenagens a franquia e a Marvel em geral, com vários easter-eggs para ser consumidos e comemorados.

Do jeito que falei parece que tudo foi perfeito nas 2h 26min de exibição mas longe disso, o roteiro é bem fraco especialmente alguns diálogos e isso combinado ao relaxamento do elenco em algumas partes fazem algumas sequências serem sofríveis mas nada que atrapalhe a diversão.

Pode levar o seu lenço porque em pelo menos duas cenas seus olhos vão encher de lágrimas, pode vir me cobrar depois. E aproveita o final de semana ou a semana do Natal para assistir porque vai ser difícil fugir dos spoilers por tanto tempo.

Fique até o final dos créditos porque temos duas cenas extras.