PUBLICIDADE

Game of Spies

Minissérie do Netflix, que se trata de um jogo de espiões, mostra como o tema de espionagem sempre rende produções interessantes.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

clique aqui para assistir “Traidores” no Netflix (sujeito a assinatura do serviço)

Traidores é a mais recente minissérie dramática a ser adicionada pela Netflix. Ela foi produzida inicialmente para o canal de televisão inglês Channel 4 pela Twenty Twenty Television, mas foi distribuída internacionalmente pela Netflix.

Fiona “Feef” Symonds (Emma Appleton) – “Traidores”/Netflix

MAIS AQUI: Filme mais esperado do ano chegou, veja aqui nosso especial sobre “Vingadores: Ultimato”

A minissérie se passa no ano de 1946 em Londres, no início do período de reconstrução da Inglaterra com o fim da 2ª Guerra Mundial. A reorganização política, econômica e social do país é a prioridade, mas a gradativa influência da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e a propagação dos ideais comunistas pela Europa provoca receio em diversas nações. Dessa forma, a inglesa Fiona “Feef” Symonds (Emma Appleton) é recrutada pelo Escritório de Serviços Estratégicos dos Estados Unidos da América (OSS) para servir como uma espiã no coração da administração do governo britânico e desmascarar os espiões soviéticos infiltrados. No entanto, a jovem logo descobre que no jogo dos espiões ou você controla as pessoas ou elas te controlam, e a sua vida logo se torna mais uma peça no tabuleiro político das agências de inteligência.

Priscilla Garrick (Keeley Hawes) e Feef – “Traidores”/Netflix

SAIBA MAIS: O que acontece quando se confia demais na tecnologia, veja aqui nossa opinião sobre “Osmosis”.

O elenco tem um excelente desempenho. O carisma de Emma Appleton (Clique) não apenas realça o inicial espírito aventureiro da protagonista, como também contrasta com os traumas que a personagem sofre ao longo trama até atingir o seu ponto de ruptura no último episódio. Em contrapartida, Michael Stuhlbarg (Fargo) demonstra ser capaz de apresentar toda a obsessão do inescrupuloso Rowe, agente da OSS responsável pela operação de Feef. Ao longo da minissérie, a dupla tem uma série de desavenças que vão se tornando cada vez mais sérias a casa episódio. A dinâmica entre os dois é um dos pontos centrais da trama. Por outro lado, Keeley Hawes (Segurança em Jogo) se destaca com o seu retrato da pragmática e dedicada Priscilla Garrick, chefe de Feef. As duas também desenvolvem uma relação conturbada, com idas e vindas, mas ao contrário de Rowe, Priscilla conquista uma grande admiração por parte de Feef, isso devido sua jornada como uma mulher na política.

Feef e Hugh Fenton (Luke Treadaway) – “Traidores”/Netflix

MAIS AQUI: Suspense com um tema muito pesado, veja aqui nossa opinião sobre “Areia Movediça”, série do Netflix.

Alguns personagens secundários têm participações interessantes, mas não muito relevantes para a trama. O jovem parlamentar de esquerda, Hugh Fenton (Luke Treadaway), o interesse amoroso de Feef, enfrenta o desafio de ser um político com ideais socialistas em um período de imensas tensões ideológicas. Já Jackson Cole (Brandon P. Bell), um soldado negro a serviço do agente Rowe, lida com o racismo da sociedade e com as demandas cada vez mais extremas do seu superior enquanto começa a ampliar o seu conhecimento sobre política e sociedade.

Jackson Cole (Brendan P. Bell) – “Traidores”/Netflix

Uma vez que a minissérie dispõe de apenas 6 episódios para desenvolver a sua trama, os acontecimentos se desdobram com enorme velocidade. Ao mesmo tempo em que isso dá maior dinamismo à história, perde-se a oportunidade de explorar subtramas de especial destaque. Por outro lado, a minissérie também não apresenta um conteúdo muito inovador. Nada do que acontece na história surpreende em excesso o espectador.

OUÇA AQUI: Amanhã tem Papo Cinefans sobre Vingadores: Ultimato, enquanto não chega ouça o nosso papo sobre a Ancine e o futuro do cinema nacional.

Portanto, a minissérie é bem feita e tem atuações de qualidade, mas peca na falta de originalidade e na velocidade excessiva. No entanto, não deixa de ser um conteúdo adequado para a plataforma de streaming. Se você é um fã do gênero, deve se entreter se problemas.