PUBLICIDADE

‘Estou pensando em acabar com tudo’ e a complexidade da psique humana

Denso, enigmático e difícil de digerir. Essas características irão afastar uma parte da audiência, que pode reduzir o filme a um ajuntamento pretensioso.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 5 de 5.

Alguns filmes tem o poder de roubar suas palavras e te fazer olhar em transe para a tela tempos depois dos créditos rolarem. O novo filme de Charlie Kaufman, “Estou pensando em acabar com tudo”, pode não ter esse efeito em todos os telespectadores, mas uma certeza é que a obra abre espaço para inúmeras interpretações e questionamentos.

+assista “Estou Pensando em Acabar com Tudo” no NETFLIX

Estou pensando em acabar com tudo | um filme de Charlie Kaufman | Trailer oficial | Netflix

Disponível na plataforma de Streaming Netflix, a obra tem como diretor, escritor e produtor Charlie Kaufman, mais conhecido pelo seu trabalho na direção da animação “Anomalisa” e no roteiro de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”. O filme é uma adaptação do livro homônimo do escritor canadense Ian Reid.

No seu mais novo trabalho, Kaufman nos apresenta uma jovem da qual nunca aprendemos o nome (interpretada por Jessie Buckley) que está prestes a conhecer os pais do seu namorado, jake (Jesse Plemons), pela primeira vez. Logo nos primeiros momentos do filme a protagonista questiona o relacionamento e, parafraseando o título, pensa em acabar com tudo. Essa semente em forma de pensamento dá início a uma avassaladora crise existencial.

divulgação / NETFLIX

+Normal People deixa no público a sensação de assistir algo real na tela.

Kaufman pega esta premissa simples e a estende em um drama psicológico complexo. A atmosfera claustrofóbica e desconfortável gerada na primeira interação do casal só aumenta ao chegarmos na casa dos pais de Jake, localizada em uma fazenda remota em pleno inverno. A narrativa não-linear e por vezes surreal – marca de Kaufman – se desenrola e revela peças de um quebra- cabeça que só aumenta de tamanho.

O filme exige a atenção da audiência. Cada detalhe, diálogo, localização e nuances importam. A construção das cenas é feita sem pressa, muitas sequências são extensas e cheias de referências à livros, filmes, poemas e personalidades. Tudo tem a sua função para a construção do ato final, que desabrocha em um êxtase de surrealismo e metalinguagem.

divulgação / NETFLIX

Além da construção minuciosa da trama, o filme tem uma montagem impecável, com enquadramentos e ângulos engenhosos, mudanças sutis que dizem muito e atuações marcantes. Somando-se a presença de Jessie Buckley e Jesse Plemons, as performances de Toni Collette e David Thewlis, que interpretam os pais de Jake, engrandecem a atmosfera inquietante do filme.

+A escolha por retratar os verões como três atos, mostra como a passagem do tempo transforma a vida de quem sofreu com os impactos da política.

“Estou pensando em acabar com tudo” é denso, enigmático e difícil de digerir. Essas características irão afastar uma parte da audiência, que pode reduzir o filme a um ajuntamento pretensioso. Entretanto, aqueles que entrarem sem amarras na narrativa irão se deliciar dissecando os simbolismos e reflexões que Kaufman traz a tona.

Dentro da narrativa floreada estão questões sobre o envelhecimento, o sentido da vida e a necessidade de assimilarmos histórias entendermos o nosso mundo interno e externo. É sobre a solidão da existência e a complexidade da psique humana. Tirando todos os enfeites, é isto que sobra: a universalidade do específico.