PUBLICIDADE
Timothy Chalamet (Gatsby) e Elle Fanning (Ashleigh) - Um Dia de Chuva em Nova York © Imagem Filmes

Crítica: Um dia de chuva em Nova York

Consagrado diretor aposta em elenco jovem para suavizar o roteiro denso.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

compre aqui seu ingresso

Olá pessoas que adoram as críticas que eu escrevo, meus fãs, os Cine Fans! Depois dessa introdução cheia de humildade, venho hoje de um mundo que, para mim, é extremamente pouco explorado e bem pouco conhecido: o universo do cinema cabeça, aquele que nunca chego perto por diversos motivos. Não, vocês não vão saber os motivos. “Um dia de chuva em Nova York”, mais recente filme escrito e dirigido pelo renomado diretor Woody Allen tem sua estreia marcada para o dia 21 de novembro no Brasil e o encarregado de trazer as impressões sobre o filme é ninguém mais, ninguém menos, que eu mesmo.

+ AQUI: Coringa, o filme mais esperado do ano mostra uma história madura e que está bem mais perto da realidade do que queremos e possamos admitir.

Não tenho muitos conhecimentos sobre a obra completa de Woody Allen, mas posso dizer que depois de assistir títulos como “Matchpoint” (2006) e “Meia-noite em Paris” (2011), o último lançamento do diretor traz diversos pontos positivos e, claramente, alguns que podiam ter sido evitados. “Um dia de chuva em Nova York” nos entrega a história de Gatsby (Timothée Chalamet), um universitário novaiorquino que tem como paixão e vocação as apostas (sim, estamos falando de um viciado em poker) e sua namorada, Ashleigh (Elle Fanning), uma aspirante a jornalista que é convidada a entrevistar o diretor de cinema Roland Pollard (Liev Schreiber) em Nova York. Gatsby então resolve viajar com sua parceira, mas dentre várias idas e vindas do acaso, ele reencontra Chan (Selena Gomez – sim, nem eu acreditei muito nisso), irmã mais nova de sua ex namorada de infância quando ainda era um habitante da cidade que nunca dorme.

Elle Fanning (Ashleigh) – Um Dia de Chuva em Nova York © Imagem Filmes

Sem mais sinopses, vamos às impressões do filme. Não vou perder nosso tempo falando do currículo extenso de Allen, já que todos sabemos que entrar nesse mérito irá resultar no maior review da história do site. Posso dizer que, pessoalmente, algumas coisas não me agradaram. A primeira, é que o roteiro, para mim exclusivamente, é um pouco denso demais. Como disse no início desse texto, esse tipo de filme está longe de ser o que eu assisto o dia-a-dia. Infelizmente, esse é um fator que comprometeu um pouco na minha experiência ao longo dos 95 minutos de filme. 

+TAMBÉM: Parasita, drama coreano mostra como o desespero pode acionar todas as facetas do ser humano.

A escolha do elenco é um fator fundamental, e o mais interessante foi a opção de um elenco bem mais jovem do que o normal (já que tivemos protagonistas como Owen Wilson em seus filmes), o que pode ser uma tentativa de atingir um público mais jovem. Spoiler: Elle Fanning é o maior erro do filme inteiro. O plot da sua personagem é muito interessante, mas ela entrega uma atuação muito aquém do que era necessário. O destaque nesse ponto é dado a Chalamet e Gomez, que além de formarem um casal extremamente improvável, têm química e o rapaz eleva o nível da atriz que consegue entregar um trabalho satisfatório.

Timothy Chalamet (Gatsby) e Selena Gomez (Chan) – Um Dia de Chuva em Nova York © Imagem Filmes

A história do filme é bem divertida. Por mais que o roteiro, para mim, seja denso demais, a melancolia que Gatsby carrega consigo o torna um personagem complexo e interessante até demais: ponto para o longa! A ideia de mostrar a Nova York mais pesada, fechada e triste com a chuva (afinal esse é o título do filme) traz uma fotografia interessante, cores que remetem à de fato tristeza, mas o filme não perde os toques de humor sutis e necessários para aliviar o clima. É um filme ótimo para quem gosta de um material fora da caixa e para quem quer uma fuga da realidade que demande mais reflexão do que qualquer outro blockbuster em cartaz. 

Caros leitores, não tenho mais a acrescentar (sim, adotei uma despedida mais formal para manter o nível do filme). Só me resta, agora, acompanhar o que cada um de vocês espectadores têm a dizer sobre esse longa. No mais, recomendo esse filme porque acho que todos precisam passar por uma experiência Woodyallenana (sim, vou usar até neologismos). Até a próxima com mais uma crítica, por hoje vou ficando por aqui!