PUBLICIDADE
Terremoto - California Filmes

crítica | Terremoto

Em Terremoto todos os elementos de sucesso de um filme catástrofe estão presentes e te apresentam uma bom drama com doses de aventura e tensão;
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

compre aqui seu ingresso

Um abalo sísmico de magnitude de 5,4 na escala Richter atingiu Oslo no início do século XX, abrindo uma fenda que cruza a cidade. De acordo com os cientistas, um novo terremoto com essa potência pode acontecer a qualquer momento, mas ninguém consegue prever quando. Com essa premissa o diretor John Andreas Andersen nos apresenta Terremoto (Skjelvet)

Terremoto – California Filmes

O filme é bem redondo, fácil de entender e até em alguns pontos deixa alguns fatos abertos para ponderar, especialmente se as nações (grandes ou pequenas) estão preparadas para responder a grandes desastres naturais. Nessa produção pelo menos mostrou que a Noruega mesmo com todos os esforços ainda está aquém do resultado esperado.

>Filme recria o “Caso Dreyfus” ocorrido em 1894, e mostra como o antissemitismo estava enraizado na sociedade francesa da época.

Um dos pontos altos do roteiro é contar a história do ponto de vista de uma família que já havia passado por uma situação de perigo. O elenco principal, Kristoffer Joner,  Ane Dahl TorpJonas Hoff Oftebro e Edith Haagenrud-Sande interpretou os mesmos papéis no filme A Onda (Bølgen) de 2015 que pode ser considerado a primeira parte de O Terremoto.

Terremoto – California Filmes

Como esse filme é uma continuação, esperava mais dos atores porque em teoria eles já conheciam os personagens mas isso não aconteceu. O único que pareceu a vontade foi Joner como Kristian Eikjord o geólogo que ainda sofre pelos acontecimentos do filme anterior e tenta no meio do caos que se transforma Oslo salvar sua família. O resto do elenco me pareceu muito abaixo com atuações caricatas ou bem no automático demonstrando falta de vontade.

>Versão cinematográfica de amado personagem dos games não faz feio com história simples para agradar a todos.

No resto, o filme é bem interessante ainda mais se você curte o gênero filmes-catástrofe porque nele realmente tem de tudo. Drama, ação, aventura, romance e muitos efeitos visuais para contar a história. E claro que a beleza da Noruega ajuda muito. Então corre pro cinema, compra um pipoca e refri grande e boa diversão.

Até a próxima!