Crítica: Ela Disse, Ele disse

Baseado em livro de Thalita Rebouças mostra como é difícil ser adolescente para elas e para eles.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Tempo de leitura: 2 minutos

COMPRE SEU INGRESSO PARA “ELA DISSE, ELE DISSE

Pessoas do Cinefans! Sejam bem-vindas a essa crítica maravilhosa, no primeiro… Cabinão do João! E o filme de hoje têm estreia marcada para o dia 3 de outubro! Se você ainda não se localizou, estamos falando da mais recente adaptação ao cinema de outro livro da escritora Thalita Rebouças, “Ela disse, ele disse”.

Depois do promissor “Tudo por um popstar” que rendeu mais de 5 milhões em bilheteria, a nova aposta conta a história de dois adolescentes que são novos na escola e temos em destaque o primeiro ponto positivo do enredo: temos narração em duas perspectivas diferentes, a do rapaz, Léo (Marcus Bessa) e da menina, Rosa (Duda Matte). O mais interessante nisso é justamente mostrar para o espectador as inseguranças dos dois adolescentes, o que torna tudo orgânico trazido por um roteiro escrito da forma mais satisfatória possível para o gênero. 

+TAMBÉM: Um dos maiores heróis de ação das últimas décadas volta para a sua última aventura, veja nossa opinião sobre Rambo: Até o Fim.

© Imagem Filmes

Outro ponto a mais para o filme é o elenco. Confesso que não entendi toda propaganda em cima de Maisa Silva, que interpreta a “vilã” do filme, Julia. Entretanto, sinceramente, Maria Clara Gueiros (Diretora Madalena) ao meu ver roubou a cena. Acredito eu que todos nós já tivemos, ou temos, uma diretora conservadora, tradicional e extremamente rígida na escola, motivo de medo entre os alunos e de olhos revirados de professores como a professora de português adorada pelos alunos do nono ano da escola. Mais um destaque de elenco, a então jornalista esportiva (e agora, meia-atriz) Fernanda Gentil interpretou a mãe de Rosa e cumpriu bem seu papel.

Mais uma comédia adolescente brasileira, “Ela disse, ele disse” traz a dose certa de comédia com piadas bobas e divertidas, mas ao mesmo tempo inteligentes que conseguem abranger não só o público jovem, mas o adulto também (na sala tinha um adulto que se divertiu bastante – e não fui só eu). A direção é bem feita. O roteiro, como já citei, sabe o que faz e não é monótono ou enjoativo.

+AQUI: Continuação de clássico do terror It: A Coisa mantém a atmosfera do filme anterior e amplia a mitologia do palhaço assustador.

© Imagem Filmes

Minha crítica negativa é por um ponto muito diferente, pensando mais como público. O filme é muito rápido. Não chega a ser atropelado, mas é curto e queria ter visto mais coisas exploradas. Talvez um aprofundamento maior em alguns trechos que precisavam ser melhor desenvolvidos. Paciência, quem sabe na próxima.

E agora eu fico por aqui, leitores! Obrigado pela companhia, e não se esqueçam de marcar em seus respectivos calendários que “Ela disse, ele disse” estreia no dia 3 de outubro nos cinemas! Vale a pena a conferida!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: