PUBLICIDADE
Warner Bros. Pictures

Crítica: Coringa

Filme mais esperado do ano mostra uma história madura e que está bem mais perto da realidade do que queremos e possamos admitir.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

compre seu ingresso para assistir “Coringa” nos cinemas.

Em 2019 completou-se 10 anos da estreia do que é considerado um dos melhores filmes de herói de todos os tempos, não apenas por consenso da crítica, mas também do meio nerd (o que é uma raridade). O Cavaleiro das Trevas (2009) se consagra pelo roubo de cena por parte de Heath Ledger que havia trazido o melhor retrato do mais complexo vilão dos quadrinhos: o Coringa. Desde então, se acreditava impossível que se pudesse voltar a encarnar tão perfeitamente o icônico personagem. No entanto, neste ano Joaquín Phoenix chega às telonas com a versão mais atormentada do personagem em um controverso clássico instantâneo.

+AQUI: Baseado em livro de Thalita Rebouças mostra como é difícil ser adolescente para elas e para eles.

Coringa (2019) é daqueles filmes que é difícil falar sobre a sinopse sem pelo menos roubar um pouco da experiência que o espectador teria em ir descobrindo detalhes do personagem com o decorrer do filme. Isto porque o diretor e roteirista Todd Phillips teve o cuidado de construir uma narrativa não expositiva, ou seja, o espectador aprende de maneira orgânica e em longo prazo os motivos pelos quais o protagonista age como age, porque ele está na situação em que está. Além disso, antes de ver o filme é importante manter em mente que este não se relaciona com os anteriores do universo DC e é uma visão particular sobre o célebre vilão.

Neste sentido, para não lhes abster de uma sinopse, mas também não lhes roubar a experiência, o filme foca na trajetória de Arthur Fleck (Joaquín Phoenix), cidadão de Gotham a qual se encontra em crise, suja por conta de uma greve dos lixeiros e socialmente corrompida. Arthur nos é introduzido como uma vítima desta sociedade degradante, tentando fazer sua vida apesar de sua doença e da violência psicológica que o aflige vindo de todas as direções, inclusive a interna.

Coringa – © DC Comics / Warner Bros. Filmes

Apesar de ter sido dito anteriormente que é impossível falar sobre o roteiro do Coringa sem estragar o filme, é também verdade que é impossível descrever a experiência sem vê-lo em razão do que é seu ponto alto: a genial atuação de Joaquín Phoenix. O ator entrega em absolutamente todos os sentidos, desde os olhos que não apenas não riem junto com a boca, como por vezes parecem chorar enquanto ecoa risada, o enrugar da testa, a voz levemente falha, a obsessão contida. Phoenix perpassa de maneira sublime pelos estágios de construção de um sociopata, demonstrando quase uma inocência diante de uma sociedade que agride até o fazer voltar-se contra ela.

+ TAMBÉM: Nova série de Ryan Murphy mostra como a ambição e a política mudam a atitude e o caráter das pessoas quando se é jovem e influenciavel.

Esta não se trata de uma produção fácil de digerir e abre portas para diversas interpretações.  Por um lado, isto é positivo considerando o volume atual de filmes superexpositivos e sem qualquer cuidado de roteiro. Por outro lado, toda vez em que uma produção tentou trazer uma mensagem mais incisiva sobre violência, existiu a parcela da população que a distorce para algo corrupto. Assim como os clássicos Laranja Mecânica (1971) e Clube da Luta (1999), Coringa traz uma abordagem crítica em relação a violência através da sua “ultra-utilização”, o qual é por vezes mal interpretado como encorajamento.

Coringa – © DC Comics / Warner Bros. Filmes

Longe de encorajar, Coringa na verdade busca denunciar os comportamentos distorcidos da sociedade. Denuncia toda a hipocrisia por traz de cada ação humana, o descaso, a falta de empatia, o despreparo e preconceito para com doenças psicológicas. O diretor toma seu tempo construindo a formação de um sociopata, dando a cada cena e cada linha de roteiro um significado, alocando cada frame e cada faixa da trilha sonora de forma magistral em função de entender o incômodo e descolamento com a realidade que aquele personagem passa.

Se algo é certo, apesar de todas as polêmicas e até divergências de opiniões, é que Coringa vai te incomodar. Por vezes talvez te faça desviar o olhar da tela. Não vai te incomodar pela violência física, mas especialmente pela psicológica. Vai te fazer sair do cinema e pensar no que você viu por horas e querer debater as diferentes camadas de interpretação. É certo também o porquê dos oito minutos de aplauso, com direto ao principal prêmio do Festival de Veneza de 2019, uma vez que a épica atuação de Phoenix dificilmente cairá no oblívio.