Crítica: A Luz no Fim do Mundo

Na luta pela sobrevivência o que prevalece na trama é o amor entre um pai e uma filha.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

compre aqui para assistir “A Luz no Fim do Mundo” nos cinemas

Mais um lançamento chegando para vocês, Cine Fans, hoje a bola da vez é o novo filme do filho menos famoso do clã dos Afflecks, Casey. E se mais delongas vamos entrar em A Luz do Fim do Mundo.

+AQUI: Filme mais esperado do ano, Coringa mostra uma história madura e que está bem mais perto da realidade do que queremos e possamos admitir.

Bem, ao ler a sinopse do filme eu achava que seria um filme de sobrevivência (no final acaba sendo) com um acidente gravíssimo no início mas para minha surpresa acabou virando um bom love story entre pai e filha.

Imagem Filmes

Em “Light of my Life” no original, uma praga elimina as mulheres do planeta – não é citado quando e como – e os homens, talvez a maioria, começam a reverter ao estado primitivo e vivem sem as amarras sociais e nessa sociedade que encontramos o pai (Affleck) e a filha (Anna Pniowsky) – ela é a única mulher, digamos assim nessa sociedade. E boa parte do filme retrata a luta incessante do pai para protegê-la da maldade da sociedade. O que nesse mundo fica potencializado a mil vezes.

+ TAMBÉM: Baseado em livro de Thalita Rebouças, Ela Disse, Ele Disse mostra como é difícil ser adolescente para elas e para eles.

Grande destaque no filme é a relação entre os personagens Pai e Filha que mesmo já estabelecido antes do filme se beneficia bastante das atuações de Affleck e Pniowsky que estão numa ótima sintonia na tela. Na verdade, essa é a única sustentação da história porque os outros coadjuvantes que aparecem não comprometem mas também não agregam a história. E nesse miolo também temos a participação de Elisabeth Moss que poderia aparecer um pouco mais.

Imagem Filmes

Não sei se a narrativa precisava de praticamente 2 horas para ser contado, mesmo com os cenários belíssimos mostrados, algumas partes ficaram arrastadas e cansativas porém não chega a atrapalhar tanto.

Não me decepcionou a produção escrita e dirigida por Casey que surpreendeu com planos e sequências bem interessantes e um roteiro bem tranquilo de entender (apesar do ponto de início da trama ser estranho) que faz a experiência ser razoável. Então pode ir tranquilo ao cinema e assistir. E depois volte aqui para me contar o que achou.

Publicidade

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.