divulgação / Vitrine Filmes

Como Matar a Besta

Mitologia e realismo fantástico ajudam a contar as histórias dos relacionamentos em drama estreia da semana.
5/5

Avaliação: 3.5 de 5.

Uma das estreias da semana, o drama com toques de ficção “Como Matar a Besta” que usa o realismo fantástico para mostrar e desenvolver relacionamentos. E em algum grau, funciona.

assista “Como Matar a Besta” nos cinemas

Muito inteligente a escolha da diretora Agustina San Martin em colocar uma situação misteriosa para fazer a trama andar. E combinando com a região, na fronteira entre Brasil e Argentina, também é perfeita para o que está sendo proposto.

divulgação / Vitrine Filmes

Quem também faz um trabalho bem feito, é a protagonista Emilia, papel da estreante Tamara Rocca, que mostra segurança para não ser ofuscada nas interações com outros membros do elenco. As melhores cenas, com certeza, são quando ela mostra insegurança e vulnerabilidade e consegue fazer bem a transição entre sentimentos durante o filme. Lembrando que João Miguel, bem discreto, faz participação também.

leia a crítica de O Diabo Branco, um terror na fronteira do Brasil e Argentina

Os mistérios são um ponto chave, e eles são muito bem conduzidos inclusive a resolução é inteligente até porque eles são apenas pano de fundo para mostrar os dramas e as dificuldades dos relacionamentos principalmente da protagonista.

O roteiro falha um pouco em tentar dimensionar mais algumas relações ou melhor situações dentro dos relacionamentos, principalmente de Emília com sua mãe. As melhores partes do texto são quando avançam as relações entre Emilia e Inês, sua tia. E também entre Emilia e Julieth, onde a personagem principal tem a sua virada.

divulgação / Vitrine Filmes

Talvez por causa da virada da personagem no ato final do filme, a trama se acerta depois de ficar perdida por um tempinho. Se você ficar bem ligado no filme vai perceber todas as mudanças na situação da besta e do irmão da protagonista quando Emilia muda suas percepções sobre si e a sua volta. Muito interessante perceber que a besta, e quem sabe o irmão são apenas metáforas da psique da protagonista.

Nada mais a dizer sem entregar muito spoilers sobre o filme, só me resta dizer para vocês assistirem o filme porque serão 79 minutos bem interessantes no cinema. Depois voltem aqui para deixar suas opiniões sobre o filme.

COMO MATAR A BESTA segue Emilia chega a uma cidade religiosa na fronteira entre Argentina e Brasil. Ela busca pelo seu irmão desaparecido, com quem tem assuntos obscuros e mal resolvidos. Ela se hospeda na casa de sua estranha Tia Inés, próxima a floresta onde, de acordo com rumores, uma perigosa besta apareceu uma semana antes. A besta – as pessoas dizem – é o espírito de um homem mau que toma a forma de diferentes animais. Entre realidade e mitologia, humano e animal, e culpa e sexualidade, Emilia terá de confrontar seu passado.