PUBLICIDADE

“Com Enola Holmes, Quem Precisa De Sherlock!”

No fim temos uma experiência satisfatória, que pode divertir todas as idades e que deve atrair mais jovens para o material
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Avaliação: 4 de 5.

* SEM SPOILER

Quem não conhece Sherlock Holmes? Você pode nunca ter lido um livro do famoso personagem de Sir Arthur Conan Doyle, mas o detetive mais famoso do mundo está tão cravado na cultura popular mundial que até na última semana a internet entrou em polvorosa, pois aparentemente uma grande demografia sequer sabia que ele não existiu. Houve já tantas adaptações em formatos diferentes da história do detetive, que é até difícil pensar numa nova abordagem para ele. É justamente o que Enola Holmes (2020) se propõe a fazer.

+assista ENOLA HOLMES exclusivamente no NETFLIX

Baseado na série de livros infanto-juvenil The Mysteries of Enola Holmes (2006-2010), o mais novo filme da Netflix traz Sherlock Holmes de volta para a mídia audiovisual, no entanto como mero coadjuvante uma vez que o protagonismo e a narração desta aventura estão com a jovem Enola Holmes, sua irmã mais nova. Enquanto os irmãos vivem seus caminhos em Londres, Enola é criada no interior pela sua mãe sob moldes contraditórios aos aceitáveis para as mulheres da Era Vitoriana. No entanto, no dia do seu aniversário de 16 anos, sua mãe desaparece e Enola embarca em sua busca, também fugindo da prospectiva de ser enviada para uma Escola de Garotas.

+Premissa criativa de Projeto Power não se salva de roteiro previsível e recheado de clichês.

Existem dois pontos a serem enfatizados dos parágrafos anteriores que devem ser mantidos em mente antes de dar o play. O primeiro é que esta se trata de uma aventura infanto-juvenil, portanto toda a montagem, os personagens, o humor é voltado para tal público, o público que provavelmente também está tendo seu primeiro contado com as histórias de Sherlock Holmes e que estão se despertando para a literatura. O segundo ponto é justamente que o próprio Sherlock Holmes é uma peça completamente secundária aqui, e isto vira um ponto positivo para o filme.

divulgação / NETFLIX

Uma vez que Sherlock Holmes é um personagem tão vivido no imaginário das pessoas, o fato de ele não exagerar sua estadia no filme faz com que ele continue como um ser elevado ao mesmo tempo em que permite que a protagonista tenha domínio da sua história. Além disso, a própria Enola tem como parte de seu arco o desenvolvimento das suas habilidades de detetive, e é clara a inspiração dos passos na reputação do seu irmão mais velho, como a fama de Sherlock como mestre dos disfarces. Outra decisão aqui foi a quebra da quarta parede pela narradora, já que não temos o artificio do Dr. Watson para que a deduções sejam explicadas para o público, algo que foi interessante até o ponto que passa a ser usada com excesso e desnecessariamente.

+Em suma, o invólucro de Locke & Key é de qualidade, mas o seu conteúdo decepciona o público que embarca com grandes expectativas.

No entanto, o mais interessante desta adaptação foi a direção da abordagem. Veja bem, não existiria muito valor em outra adaptação de Sherlock Holmes se não houvesse algo interessante a ser dito, e ao seguir a jornada de Enola, entre encontrar sua mãe e desvendar um mistério, somos expostos às rígidas regras sociais que afligiam as mulheres daquele período. Como dito por uma personagem no filme, o detetive nunca se interessou por política porque ele “não tem interesse em mudar uma sociedade que é feita para lhe favorecer”. Esse tema sendo abordado no filme de forma tão direta e tão natural enriquece o que está em jogo no mistério dentro da trama, e eleva o longa na vida real.

divulgação / NETFLIX

Sobre as atuações, pode-se dizer que o Henry Cavill convence e é marcante como Sherlock, estando ao seu favor a pouca presença de tela. Millie Bobbie Brown se encaixa em no papel da jovem heroína uma vez que a própria atriz é muito empática, e é muito claro que ela está se divertindo no papel. Millie pode não ser a melhor atriz do mundo, mas ela é muito melhor que a maioria das atrizes da sua idade, e é gratificante ver adolescentes de verdade no papel de adolescentes, o que não muito comum em Hollywood. Sam Caflin também não aparece tanto, mas é interessante ver o ator num papel mais antagônico.

Enola Holmes é extremamente divertido e interessante. É bem produzido, com uma fotografia que retrata muito bem a poluição da Londres Industrial, mas que ao mesmo tempo tem um quê caricatural. A montagem dinâmica, e as escolhas gráficas para ilustrar as deduções dão um bom ritmo para a trama. No fim temos uma experiência satisfatória, que pode divertir todas as idades e que deve até atrair mais jovens para o material inspiração. PS: estou aguardando ansiosamente para a continuação, pois final deixa você com muita vontade de passar mais tempo com Enola Holmes.