Cavaleiros do Zodíaco e a ausência de Cosmo

Nova versão de anima consagrado falha em agradar aos fans e tenta se salvar com as novas audiências.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

clique para assistir “CAVALEIROS DO ZODÍACO” no NETFLIX (sujeito a assinatura do serviço)

Faça elevar… o Cosmo nesta resenha! Todo horror combater! Enfrentar a TV! O anime original sempre a me proteger! Supera a dor e dá forças pra suportar! OK. OK. Parei… Só que já deu pra vocês perceberem o tom da resenha de hoje. O assunto de hoje é Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco, a nova série animada da Netflix. Me dê sua força, Pégaso… Sério mesmo, cara. Eu tô precisando.

Os Cavaleiros do Zodíaco (1986-1989; 2002-2008) foi um fenômeno japonês e brasileiro tanto na forma de mangá quanto na forma de anime. As décadas de 1980, 1990 e 2000 foram marcadas pelas aventuras de Seiya e seus amigos em diversas emissoras de TV. Além disso, várias séries derivadas e filmes foram criados com o sucesso do produto original, mas nem sempre tiveram bons resultados.

Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco é uma série de 12 episódios dividida em duas partes. Os primeiros 6 episódios já se encontram a disposição na Netflix, mas não há previsão de lançamento para os outros 6 deles. Na minha opinião, eles nem precisam lançá-los. É melhor agora antes que fique mais feio do que já está. Trata-se de um remake da série original de forma bem resumida. Nada de bom começa assim…

+ elenco bom não consegue salvar uma história previsível, leia sobre “À Queima Roupa”

O enredo da série gira em torno do órfão Seiya de Pégaso, um jovem que descobre ser capaz de manipular uma energia celestial chamada “Cosmo” e que ela é a arma de um Cavaleiro de Atena, guerreiros lendários destinados a proteger a deusa grega da sabedoria (em suas inúmeras reencarnações) ao longo da história da humanidade. No entanto, uma profecia misteriosa ameaça a segurança de Atena e o destino do planeta é colocado em risco. Portanto, cabe a Seiya e os demais cavaleiros derrotarem o mal e salvarem o mundo.

Seiya de Pégaso e Saoria Kido/Atena “Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco” – Toei Animation/Netflix

Em primeiro lugar, a série comete o mesmo erro de Os Cavaleiros do Zodíaco – A Lenda do Santuário (2014), que é usar computação gráfica (CG) como forma de animar os personagens. Os traços de animes são essenciais para a identidade visual de Cavaleiros do Zodíaco, como já foi estabelecido tanto pelo anime original quanto pelas séries derivadas: Saint Seiya – Ômega (2012-2014); e Saint Seiya – Soul of Gold (2015). Além disso, a violência gráfica também é outro fator marcante da franquia que esteve ausente na nova versão. Dessa forma, o impacto dos golpes dos personagens tinham pouco apelo visual e convenciam muito pouco o telespectador da gravidade dos ferimentos de protagonistas e antagonistas. O aspecto visual é fundamental para a emoção e o espírito de Cavaleiros do Zodíaco.

+ será que chegou a hora de preparar a despedida, leia a crítica da terceira parte de “Stranger Things”

A desnecessária e falha tentativa de contextualizar a história e os personagens no século XXI também foi um grande pecado da série. Cavaleiros do Zodíaco nunca se importou em demasiado em como era o mundo ao seu redor e o quão tecnológico e militarizado ele era. O isolamento espacial e místico sempre foi um dos maiores fatores que compeliam para o sucesso da franquia. Dessa forma, elementos como celulares, organizações paramilitares, etc. acabam parecendo aspectos fora do lugar da série. Nunca imaginávamos ver os Cavaleiros de Atena lutando contra tanques e soldados. A imagem em si é muito bizarra.

Os Cavaleiros de Atena “Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco” – Toei Animation/Netflix

Além disso, a condensação de diversas partes da história clássica dos Cavaleiros do Zodíaco também se torna um aspecto terrível da série. Eventos como a Guerra Galática e os confrontos com os Cavaleiros Negros e Ikki de Fênix são demasiadamente rápidos e pouco impactantes. O máximo que a série faz é nos mostrar alguns momentos marcantes do anime por puro fanservice.

Shun de Andrêmeda “Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco” – Toei Animation/Netflix

Por último, deve-se mencionar a polêmica da troca de gênero do personagem Shun de Andrômeda, pois apesar dessa mudança trazer uma representação feminina muito mais presente na franquia, ela também abre espaço pra diversas controvérsias. A primeira delas é o mero fato da troca de gênero, mas isso não me incomoda muito; inclusive em Os Cavaleiros do Zodíaco – A Lenda do Santuário (2014), o personagem Milo de Escorpião também tem o seu gênero trocado, então não nada que não havíamos visto antes em outras adaptações. No entanto, um aspecto que me incomoda é o fato de que escolheram justamente o personagem mais sensível e vulnerável (sem mencionar o fato de que ele usa uma armadura cor de rosa) para ter o gênero trocado. Isso pode nos dizer muito sobre como o audiovisual ainda tem ideias pouco maleáveis sobre representações de masculinidade e feminilidade.

+ se preparando para o desfecho, a segunda temporada de “Dark” já deixa tudo bem encaminhado.

Ikki de Fênix “Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco” – Toei Animation/Netflix

A escolha de Shun como alvo dessa medida me parece ser uma solução demasiadamente fácil e baseada em estereótipo, o que me leva a questionar o quão sério o estúdio leva a questão da inclusão. Pergunto-me, será que não poderiam ter escolhido algum outro personagem? Qualquer um dos outro 4? Pessoalmente, acredito que teria sido interessante vermos Ikki de Fênix (irmão mais velho de Shun) como o cavaleiro escolhido para essa troca de gênero. Acho que traria uma dinâmica interessante para os irmãos e o grupo como um todo. De qualquer forma, a escolha do estúdio me pareceu tão simples e pouco interessada que acredito que era melhor nem tê-la feito.

Portanto, Saint Seiya: Os Cavaleiros do Zodíaco não traz nada novo que valha a pena conhecer e muda demais o bom e o velho. A apresentação visual não transmite emoção alguma e os personagens estão mais do que melhores em nossas memórias. A produção passa longe de atingir o sétimo sentido (acho inclusive que perdeu alguns deles)…

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: