PUBLICIDADE

Netflix / Divulgação

análise | Snowpiercer – 1ª temporada

Temporada acerta ao ampliar o debate sobre a estrutura social atual e mostra quanto precisamos melhorar como sociedade.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Essa semana chegou ao final a primeira temporada de SNOWPIERCER, a série baseada no filme EXPRESSO DO AMANHÃ (2013) e como foi bom de assistir essa temporada. Vou começar falando o básico para quem não viu a série ou o filme. A história se passa num futuro próximo onde o planeta fica inabitável devido ao congelamento e os últimos sobreviventes da humanidade estão a bordo do trem de 1001 vagões que dá o nome a série.

Ela foi uma bela aposta da Netflix para esse ano e te explico por que eu acho. O tema de mudança climática drástica sempre é um tema atual e que merece ser falado para provocar reflexão e dentro do trem as divisões de classes que sempre existiu na história da humanidade e naquelas condições de confinamento do trem colocam as convenções que conhecemos numa lupa gigante e podemos ver o pior que o ser humano pode ser mas também existem momentos de brilho da humanidade.

Assista a série no Netflix.

A temporada consiste em 10 episódios sendo que considero um ou dois que destoam da qualidade narrativa da temporada A grande sacada da produção foi mesmo em uma temática que pediria o uso excessivo de efeitos especiais por computador (você pode estar achando que enlouqueci mas não, eu sei que muita coisa lá é feita em CGI mas a maioria das ações utiliza os velhos efeitos físicos e reais para ajudar a contar a trama.

Em suma, o invólucro de Locke & Key é de qualidade, mas o seu conteúdo decepciona o público que embarca com grandes expectativas.

Outro quesito que se destaca bastante nessa leva é o elenco que é capitaneado por Jennifer Connelly (Uma Mente Brilhante, Réquiem por um Sonho) e Daveed Diggs (Extraordinário) que fazem os contrapontos até certo ponto na trama – para saber tudo sobre o assunto, recomendo que vejam a série – pois muitos dos diálogos entre eles são tão espetaculares que vai dar vontade de bater palmas de pé, nesse quesito o destaque maior vai para Diggs (o detetive Andre Layton) que faz o papel de representante da lei e do povo enquanto Connelly (a chefe de hospitalidade Melanie Cavill) se apresenta como representante dos ricos e poderosos dentro do Snowpiercer.

Netflix / Divulgação

A partir desse ponto darei alguns spoilers sobre a temporada, se você não viu ainda a série completa e não quer estragar sua experiência recomendo que saia agora, vá assistir e depois volte para confirmar se concorda ou não comigo sobre a análise da temporada.

Bem se você continuou, imagino que já tenha acabado a temporada então vai concordar comigo com certeza em dizer, que final sensacional né!! Aquelas últimas cenas do trem de suprimentos ou Grande Alice se acoplando no Snowpiercer foi de tirar o fôlego e mesmo naquela situação de perigo os roteiristas tiverem tempo de mostrar que a divisão de classes continua e talvez mais acirrada depois da revolução, e esse é um outro ponto que preciso elogiar.

Numa temporada com pouca criatividade, La Casa de Papel se segura no carisma dos personagens para se manter viva.

Achei muito interessante o modo como foi conduzido por toda a temporada a trama da revolução dos fundistas contras as primeiras classes do trem. Fizeram muito bem jogar um artifício, no caso os assassinatos ocorridos na parte rica da composição para trazer do fundo o único detetive nos 1001 vagões e desde o início o personagem mostra que além do seu talento como investigador, ele também apresenta sua veia revolucionária exigindo a melhora da qualidade da vida para a sua classe de fundistas.

Toda a evolução dos personagens foi bem feita, inclusive dos personagens secundários e até os terciários que durante o grande desfecho da batalha final no penúltimo episódio e asseguro a vocês que a morte de alguns deles foi tocante especialmente na cena dos prisioneiros que ficaram no vagão que foi desconectado. A atuação de Diggs contribuiu muito para a dramaticidade da cena.

Netflix / Divulgação

Para finalizar vou contar o que menos curti nessa temporada, a primeira coisa foi que estereotiparam os personagens da primeira classe. Tudo bem que eles precisavam mostrá-los como um bando de fdp sem coração que só pensam em si próprios mas as maquinações do casal líder deles, os Folgers, chega a ser hilário em vários momentos. E também preciso dizer que a trama de mistério sobre o Sr. Wilford foi bem fraca ainda bem que foi resolvida ou quase ficando a resolução para a próxima temporada.

Antes de fechar preciso contar que os efeitos funcionam maravilhosamente bem e que se você não for um chato de galocha todos os cenários e imagens do mundo congelado vão te convencer enfim era isso que precisava falar sobre a série então espero que você dê uma chance para Snowpiercer porque uma segunda temporada está a caminho..

PUBLICIDADE

AS 
ÚLTIMAS