divulgação / Imagem Filmes

Águas Selvagens e a realidade dos quase esquecidos

Ambiente de terra sem lei e atuação de protagonista fazem filme ser ineressante.
5/5

compre seu ingresso e assista nos cinemas

Estreia da semana nos cinemas brasileiros, “Águas Selvagens” traz para as telonas a adaptação do livro “El Muertito” do autor argentino Oscar Tabernise que também assina o roteiro. No suspense policial é interessante a tentativa de criar uma atmosfera neo-noir para a investigação do crime na fronteira entre Brasil e Argentina mas infelizmente algumas atuações deixam a desejar e atrapalham a execução. Ainda bem que Rodolfo Birindelli, o protagonista do filme, está muito bem. E ele, que conduz a trama porque tudo gira nele e pode acreditar que ele convence como o herói involuntário .

Também é bem interessante a mescla de nacionalidades entre o elenco, temos uruguaios, brasileiros e argentinos. Do lado brasileiro, as atrizes Mayana Neiva, Leona Cavali e Allana Lopes funcionam até bem como coadjuvantes e ajudantes para fazer a trama funcionar. Algo na participação de Rita (Neiva) deixa a desejar, o que salva são suas interações com Fabian (Juan Manuel Tellategui) que por razões estranhas forma um perfeito casal.

Águas Selvagens – divulgação / Imagem Filmes

Outro par estranho mas que funciona são a jovem Blanca com Gualtieri (Birindelli) que mesmo com algumas turbulências no percurso, conseguem estabelecer um tipo de relação de pai e filha que convence. Outro par que merece ser mencionado é Gualtieri e o sub-delegado Fabro (Daniel Valenzuela) que funciona muito por eles estarem dos lados opostos da lei e também pelo duelo pelo controle da situação que muda durante o filme.

Agora a melhor parte, sem dúvida, é o roteiro que aborda temas pesados que jamais teriam um tratamento tão aberto se fosse uma produção apenas brasileira. Não se engane, algumas apresentações durante o filme são pesadas e com certeza necessárias para provocar algum sentimento de repulsa para que a plateia reaja e reflita sobre o assunto.

Águas Selvagens – divulgação / Imagem Filmes

No final temos mais uma vez a consciência e a moral da pessoa levando a melhor sobre o poder e o dinheiro que infelizmente sabemos que manda no mundo todo mas especialmente em cantos mais remotos.

Avaliação: 3 de 5.

Quando o investigador Lúcio Gualtieri (Roberto Birindelli) aceita um trabalho para solucionar um crime cometido na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai, ele se vê perseguido por uma organização criminosa envolvida em uma trama macabra de assassinatos. Ao descobrir uma verdade obscura que coloca em prova todas as suas crenças, o ex-policial precisará enfrentar seu passado conturbado, enquanto tenta sobreviver aos perigos dessa zona de águas selvagens.