Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

A intrigante e única…a Capitã Marvel!

Primeiro filme com protagonista feminina da Marvel, entrega uma história morna que prepara o terreno para Vingadores: Ultimato
5/5
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

O TEXTO CONTÉM SPOILERS SOBRE O FILME

compre aqui seu ingresso para ver “Capitã Marvel” nos cinemas.

Olá Cine Fans, mais um review de filme da Marvel. E esse, vou falar para vocês que achei bem morno viu. Para mim não funciona como filme de origem e também peca bastante para ser um filme solo da Capitã Marvel, a heroína mais badass da Casa de Idéias. Difícil dizer porque o filme não decolou mas o roteiro de Anna Boden, Ryan Fleck (também os diretores) e Geneva Robertson-Dworet não ajudou e deixou o filme bem morno com a primeira metade muito devagar, quase me fazendo dormir (sem brincadeira).

leia aqui nossa opinião sobre mais um filme do MCU, “Pantera Negra”.

Brie Larson – Capitã Marvel – Marvel Studios

Mas para não ficarem falando que sou um mal humorado, vamos falar das coisas que gostei na história. Sem duvidas nenhuma (e para surpresa de muitos) Samuel L. Jackson faz um trabalho sensacional como o Fury antes de ser o Nick que vimos nos filmes anteriores. Outro ponto muito positivo para mim foi Lashana Lynch e Akira Akbar como a melhor amiga de Danvers e a filha respectivamente, personagens que fazem a heroína lembrar o que é ser humano e ter sentimentos humanos. O que ajuda ela bastante no final do filme.

E voltando para o lado resmungão, odiei a atuação do Jude Law que em toda cena parecia estar atuando só pelo cachê, num misto de comédia pastelão ruim e caricatura mal feita. Também esperava mais do Clark Gregg / Phil Coulson (meu personagem favorito do MCU) que trocou apenas 5 a 6 palavras no filme todo. Decepção!

Falando da história, o filme começa com Danvers ou Vers (como chamam ela em Hela – planeta natal dos Krees) sem memória querendo provar seu valor para seu superior Yon-Rogg (Law) e logo seu talento e “paciência” são recompensados e ela recebe sua primeira missão. Mas ai que seus problemas começam, ela logo é capturada numa emboscada dos Skrulls (que estão numa guerra secular contra os Krees) e durante o interrogatório ela descobre fragmentos do seu passado (até então ela não lembrava de nada).

ele é Marvel mas não com os dois pés, leia aqui nossa opinião sobre “Homem-Aranha: No Aranhaverso

Isso a traz para o planeta Terra onde ele descobre uma invasão de Skrull e esbarra com os Agentes da S.H.I.E.L.D. Fury e Coulson. Durante um bom tempo do filme Danvers e Fury tentam juntar as peças que faltam na memória da protagonista. E no caminho eles tem que encarar vários Skrulls até descobrir sobre o teste aéreo que deu errado que os colocam na direção da melhor amiga de Danvers, Monica Rambeau.

A partir desse ponto o filme começa a engrenar, toda a verdade sobre a origem da Capitã é revelada e para a surpresa de alguns (inclusive eu) Yon-Rogg é o vilão. Foi ele quem atacou o avião pilotado por Danvers, onde também estava a Dra. Lawson (conhecida por ai com Mar-Vell – uma Kree interessada na paz) e mais uma ligação entre os filmes, os poderes da Capitã vêm da explosão do motor modificado pela Dra. Lawson utilizando energia do Tesseract. Agora nesse ponto a Capitã já descrente com os Krees começa a comprar a ideia de ajudar os Skrulls a fugir e eles partem em busca da nave da Mar-vell e depois de uma busca bem fácil, eles a acham em órbita – cheia de refugiados Skrulls.

gosta de filmes com cenas incríveis, leia aqui o que achamos de “Alita: Anjo de Combate”

E chegamos no ato final do filme (a parte que mais curti), assim que chegam a nave e localizam o Tesseract e os refugiados, a Capitã, Fury, Rambeau e Talos (Ben Mendelsohn – numa boa atuação mesmo sob bastante maquiagem) são surpreendidos pela Starforce de Rogg – que já sabe que seu segredo foi exposto – e lutam pela sobrevivência numa divertida sequência de lutas. Porém o ponto alto dessa parte foi a revelação que o gato (sim, um gato – um dos melhores personagens, assim já viram como é o filme, né), que na verdade é um Flerken engole o Tesseract.

Djimon Hounsou, Algenis Pérez Soto, Brie Larson(c), Rune Temte e Gemma Chan –
Capitã Marvel – Marvel Studios

E para concluir, após Ronan tentando destruir o planeta, Rogg apelando na luta, Goose (o gato) cegando o olho famoso de Fury, a Capitã decide ir embora do planeta para ajudar os Skrulls a encontrarem o resto do seu povo e achar um planeta para viverem, mas antes de ir ela deixa com Fury o famoso pager que vimos em Vingadores: Guerra Infinita. E assim terminou a primeira aventura da maior heroína do Universo Marvel, mas já com presença garantida em Vingadores: Ultimato.

Achei o filme bem básico, roteiro sem reviravoltas para todos entenderem. A melhores coisas são as referências aos anos 90 (e final dos 80) pena que as atuações em maioria são medianas. Espero, mesmo, que em Vingadores a Capitã seja melhor utilizada. E fico por aqui e não se esqueça de voltar aqui após ver o filme e comentar sua opinião.

E fique até o final porque tem duas cenas extras. Valeu!!!